Há 50 anos, o Centro Universitário FMU oferece à sociedade uma educação superior acessível e focada na formação científica, cultural, tecnológica e humanística de alta qualidade para a construção de um país melhor.

Posts Recentes

Coronavírus no Brasil: Qual impacto na educação brasileira?

Nos últimos tempos, uma pandemia tem tomado conta do mundo inteiro e também aqui no Brasil.

São muitos os casos de infectados pela doença que está assustando várias nações e deixando muita gente em pânico.


Imagem: Pixabay

Dica: Faça sua graduação na FMU. Conheça agora os cursos https://fmu.minhagraduacao.com.br/

O que especialistas recomendam é que todas essas pessoas fiquem em casa para não propagar o vírus para outras pessoas que podem pertencer ao grupo de risco.

E, para as pessoas que pertencem ao grupo de risco e estão supostamente contaminadas, deve comparecer a um posto ou ao hospital para fazer exames e constatar se há a doença, ou não.

Essa pandemia mexeu com vários setores como os industriais e até o de educação. Várias lojas se propuseram a fechar para que menos pessoas ficassem nas ruas e as escolas fizeram o mesmo.

É a partir daí que vem a pergunta: “qual é o impacto na educação brasileira com o Coronavírus no Brasil?”.

Nesse artigo, vamos explicar o resultado do impacto do Coronavírus no Brasil e lhe dar dicas de como continuar estudando mesmo com toda essa situação no mundo.

Acompanhe.

O que é Coronavírus?

Coronavírus pertence a um grupo de vírus conhecido como os responsáveis pelo resfriado, que são doenças de sintomas leves e passageiros.

Existem vários tipos de Coronavírus no Brasil e no mundo, porém, três tipos novos de Coronavírus surgiram nos últimos 15 anos:

Sars Cov 2 é o nome do vírus que designa a doença Covid-19, o Coronavírus.

O Coronavírus no Brasil tem chamado a atenção por causa das medidas públicas que estão sendo tomadas por vários outros países (Itália, Estados Unidos etc).

O governo não está preocupado somente com um indivíduo: ele está preocupado com todos os indivíduos. 

Por este motivo, o governo tem de ter certeza que em seu local há hospitais para atendimento a toda a população e médicos o suficiente para atender.

Qualquer doença que traga um número grande de doentes vai sobrecarregar esse sistema.

O Coronavírus é uma doença de transmissão muito rápida, mas que, por outro lado, a letalidade e morbidade são muito baixas.

Isto é, a chance de você ficar doente é bem grande, mas a chance de você passar mal com a doença é muito pequena.

Mas, daí você questiona: “Ah, mas já morreram tantas pessoas! E aí?”.

Numa matéria que saiu no jornal “Folha de São Paulo”, dizia o seguinte: no mesmo período  em que idosos morreram pelo Coronavírus, morreram mais idosos por outras doenças que não tem ligação com o Coronavírus.

Ou seja, um idoso, por mais que tenha mais de 80 anos, tem mais chances de morrer de qualquer outra doença do que alguma ligada ao Coronavírus.

Vale ressaltar que é necessário manter a calma e a higienização de mãos seja por álcool em gel ou água e sabão, que são atitudes que não servem apenas para os casos de Coronavírus no Brasil e, sim, para qualquer gripe ou até conjuntivite que existe pelo mundo afora.

Já o uso de máscaras, tem uma observação: só devem usar pessoas que já estão doentes.

Pessoas que não estão doentes, não precisam usar máscaras. Mesmo porque se estas não manter suas mãos limpas e não evitar o contato da mão com o rosto para impedir a contaminação, nada vai adiantar!

Quanto a cumprimentar as pessoas com aperto de mãos e abraços, devemos evitar também. 

Brasileiro é um povo muito afetuoso e sabemos o quanto será difícil mudar esse tipo de comportamento de uma hora para outra, mas não temos outra solução.

Você pode continuar cumprimentando as pessoas, mas de longe, para evitar o contato e, assim, a propagação do vírus.

Lembrando que, água e sabão funciona tão bem quanto álcool em gel ou quanto qualquer outro produto.

Por fim, isso vai passar, mas vamos ter mais casos de Coronavírus, só que de forma mais lenta e as pessoas vão estar mais imunes e o número de casos menor, assim como continuamos a ter casos de “Influenza” e já temos a medida preventiva: a vacina.

Portanto, não é para menosprezar o Coronavírus no Brasil, devemos estudar e aprender mais sobre ela. 

Porém, por via dos números de casos que estão chegando, devemos manter a recomendação de ficar em casa e só vir a fazer o diagnóstico se apresentar os sintomas fortes da doença ou se esteve viajando para o exterior.

Caso, as pessoas desobedeçam, e por qualquer resfriadinho compareçam a um posto ou hospital, podem ser infectadas com o Coronavírus e sua situação de saúde se agravar.

Como o Coronavírus impacta na educação brasileira?


Imagem: Pixabay

O Coronavírus no Brasil já se tornou um terror para muita gente. Descobertas de pessoas infectadas e o número de morte parecem cada vez mais aumentar.

Mas, como disse o texto acima, o melhor é prevenir para que, se tiver que remediar, seja menos casos e mais fácil de buscar a solução.

E, então, várias escolas propuseram a dar suas aulas via webcam ou então mandar lições dos alunos para  casa de cada um.

Também há sites que, visando o Coronavírus no Brasil, ensina a como pais ou outros responsáveis pela criança, podem ajudá-la a continuar a ter aula em sua casa.

Afinal de contas, escola não fica só dentro da escola: ela pode ser em qualquer lugar.

Alguns destaques do Centro Universitário FMU:

  • 8 a cada 10 alunos já conquistaram uma vaga de emprego na área*;
  • Laboratórios equipados com os mais modernos recursos;
  • 83% dos professores são mestres e doutores e referências no mercado;
  • Global Office, exclusivo setor de carreira e internacionalidade;
  • 86 estrelas no Guia do Estudante Abril 2018;
  • 13 cursos entre os 5 melhores de São Paulo, segundo o Ranking Universitário da Folha (RUF), de 2018;
  • Cursos com programas atualizados seguindo as diretrizes mais recentes de cada área e englobando as novas técnicas e os métodos aplicados no cotidiano profissional;
  • Aulas práticas e estágios que garantem a experiência necessária para a plena atuação e o destaque do seu currículo nos processos de seleção;

Incentivo ao desenvolvimento da pesquisa acadêmica para quem pretende investir na docência universitária.